Percursos de Prova

Embora as competições oficiais sejam todas baseadas no mesmo conceito e regras, existem diversas distâncias oficiais (Sprint, Média, Longa, Ultra-Longa) onde deverá existir uma variação considerável no equilíbrio entre a leitura do mapa, escolha do itinerário e capacidade física.
Consoante o tipo de prova a realizar existem também diferentes tipos de terreno mais adequados à sua especificidade. A escala do mapa deve ser escolhida tendo em consideração que se deve privilegiar a fácil leitura do mapa, ou seja, não deve ser difícil ver qualquer elemento no mapa.

Sprint

Preferencialmente mapas de grande complexidade técnica e que permitam uma elevada velocidade de progressão.
Caso sejam realizadas em meio urbano, devem-se planear percursos onde seja muito importante a rapidez de interpretação do mapa com muitas mudanças de direcção.
Escala 1:5000 ou 1:4000.

Distância Média

Mapa rico em detalhees de difícil e de fácil interpretação, diferentes tipos de navegação e velocidade quer derivado do tipo de floresta e dos seus detalhes (relevo, áreas rochosas, vegetação), quer pelos próprios percursos, suas mudanças de direção e localização dos pontos de controle.
Deve exigir dos orientistas um grande nível de concentração ao longo de todo o percurso.

Distância Longa

Baseia-se na boa escolha de pernadas longas em terreno fisicamente exigente.
Devem-se utilizar mapas que tenham barreiras naturais, principalmente ao nível do relevo, mas também da vegetação, falésias ou zonas muito técnicas. Poderá ter alguns caminhos que possibilitem uma opção mais longa, para evitar zonas técnicas.
Em geral, o ponto de controle será apenas o ponto de chegada de uma pernada longa e não necessariamente difícil de encontrar.
Escala 1:15000 (1:10000 para escalões de formação e escalões menos jovens). Caso o mapa fique muito confuso (como consequência do desenho dos percursos ou do terreno muito detalhado) pode-se utilizar 1:10000 para todos os escalões.

Distância Ultra-Longa

Um percurso que exija do atleta a necessidade de gerir o esforço físico e psicológico com predominância de opções longas. É aconselhável a realização deste tipo de provas em terrenos montanhosos, de grande exigência física e técnica.
Escala 1:15000


Percursos de Orientação

A maioria dos percursos de orientação são do tipo ponto-a-ponto, com um início, uma série de pontos de controle para serem visitados em uma ordem designada, e uma chegada.

Os atletas de uma mesma categoria partem em intervalos que podem variar de 2 a 5 minutos, dependendo da quantidade de inscritos para a prova, a critério da organização.

Os percursos são traçados em distâncias curtas, médias e longas, seguindo critérios definidos em regras da IOF e da CBO, de acordo com a faixa etária e nível técnico dos atletas.Para melhor conhecimento, leia a RGOP - Regras Gerais para Orientação Pedestres, disponível no site.

Na figura ao lado, um exemplo de um percurso fácil, para iniciantes. O triângulo marca o ponto de partida, os círculos numerados marcam os pontos de controle, e os dois círculos concentricos marcam a chegada. Os pontos devem ser visitados na ordem numerada, embora o orientista não é obrigado a seguir fielmente a linha que os une. Ai está o mais importante desafio do esporte: a escolha da melhor rota para ir de um ponto ao outro.

Os pontos de controle, nos percursos para iniciantes, são descritos literalmente, por exemplo: 'canto da cerca', ou 'árvore isolada'. Nos demais percursos são descritos por símbolos, que você pode conhecer acessando a página de Sinalética. Essas descrições são colocadas em uma tabela, constante no mapa.

Localização dos Pontos de Controle (prismas)

Os Pontos de Controle são identificados por um circulo desenhado em torno do objeto sobre o mapa de orientação. A característica de controle deverá estar localizado no centro do círculo. Os dois pontos de controle marcados na figura ao lado correspondem a uma bifurcação de trilha e a uma nascente.

O Prisma (baliza)

Cada ponto de controle é marcado por um prisma de base triangular, com faces quadradas de 30 x 30 cm, dividida diagonalmente, sendo o triângulo superior branco e o triângulo inferior laranja. O prisma é colocado no acidente conforme as características indicadas no mapa e cartão de descrições;

Cada ponto de controle é identificado com um número-código fixado na base de leitura do equipamento eletrônico ou no suporte do prisma.

Fixado na base do prisma está uma unidade de leitura SI (SportIdent), com o "código de controle". Quando um orientista atingir o controle correto, insere seu chip eletrônico na unidade SI, até que ouve um "beep" sonoro - isso significa que a sua presença no controle foi gravada no seu SI Card. Também é fixado um picotador mecânico, para os casos em que haja falha no SI. Em provas sem controle eletrônico, a conferência se dá pelas marcas do picote.

Dicas importantes na leitura do Mapa de Orientação